Posts

O que é o colar de girassóis? — Tismoo

Medida começou num aeroporto da Inglaterra e tem se espalhado pelo mundo para beneficiar pessoas com deficiências invisíveis

Provavelmente você já deve ter visto nas redes sociais, nos últimos meses, uma história de um colar de girassóis para pessoas com deficiências invisíveis (condições de saúde não facilmente perceptíveis pelos que estão ao redor). Sim, a história é verídica. E não deixa de ser uma boa ideia para priorizar o atendimento dessas pessoas, inclusive autistas.

Entre essas “deficiências invisíveis”, o autismo, sem dúvida alguma, está entre os destaques e que, muitas vezes, o atendimento prioritário pode evitar enormes transtornos a todos que estejam usando o colar verde com girassóis em um amarelo bem vivo. Outras condições de saúde também se beneficiam, como pessoas com dores crônicas, com asma e outras “silenciosas” condições.

O post de maior repercussão, foi o de Kim Baker, de agosto de 2019, que mostra uma foto sua usando o cordão, ao lado do filho (autista) e do marido, numa viagem que passou pelo aeroporto de Málaga-Costa del Sol (Espanha). Na postagem do Facebook, que tem mais de 330 mil compartilhamentos, a mãe inglesa publica o link de onde pode-se conseguir o colar, no Hidden Disabilities Sunflower Lanyards Scheme (que tem um site vendendo o produto).

Os funcionários dos aeroportos que adotaram os “girassóis” ajudam os passageiros com algumas flexibilidades, como: dão-lhes mais tempo para se prepararem para verificações de segurança e embarque, deixam membros da famílias os acompanharem o tempo todo, são mais claros e específicos ao darem instruções e explicam detalhes o que podem esperar ao viajar e nos procedimentos do aeroporto.

O que é o colar de girassóis? — Tismoo

Aeroportos

O aeroporto Heathrow, em Londres (Inglaterra), o mais movimentado da Europa em número de passageiros, adotou a medida e tem até mesmo uma página na internet para quem tiver viagem planejada para passar por lá poder solicitar com antecipação ou pegar no local o cordão gratuitamente. Mas tudo começou com uma ação em 2016, no Gatwick, o segundo maior aeroporto de Londres, que, com imensa empatia, resolveu melhorar o atendimento a pessoas com condições de saúde invisíveis. A ideia era poder reconhecer com mais facilidade quem precisaria de mais suporte ou simplesmente mais compreensão — o Gatwick tem, além do site, até mesmo um email especial para estes casos (HiddenDisability@gatwickairport.com). 

Com o tempo, os maiores aeroportos de todo o Reino Unido adotaram a mesma prática, que, felizmente, está começando a se espalhar para outros países. No aeroporto de Manchester (também na Inglaterra) foi criada, inclusive, uma sala exclusiva para essas pessoas, a Sunflower Room.

O assunto foi também tema de reportagem da BBC de Londres.

Autismo e o mercado de trabalho - Tismoo

Conheça algumas possibilidades profissionais num mercado ainda minúsculo, mas em expansão para todo o espectro

Por Francisco Paiva Junior

Temos visto mais diversidade nas contratações como uma tendência do mercado de trabalho. Muitos podem pensar que isso refere-se tão somente a diferenças raciais, de gênero ou orientação sexual. Mas vai além. Abrange também a neurodiversidade – conceito que considera o desenvolvimento neurológico atípico uma diferença humana, que deve ser respeitada. E é isso o que algumas empresas estão fazendo ao contratarem profissionais com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Dois bons exemplos são as histórias de Iago Brunherotto e de Eryk Nakamura, com 24 e 25 anos respectivamente. Os dois trabalham no Itaú Unibanco há mais de um ano, em sua primeira experiência profissional, e se formaram na área de tecnologia da informação — Iago é graduado em ciência da computação, Eryk, em banco de dados. E não é só isso que eles têm em comum: ambos tem autismo.

As coincidências não param por aí. Os dois jovens já implementaram mudanças no banco que resultaram em ganho de eficiência gerando lucro para a empresa. Iago, que já venceu duas edições da Olimpíada Brasileira de Matemática, reduziu o tempo para a realização de uma operação complexa dentro do banco, que foi revertida em resultados financeiros reais e em aumento de eficiência na área. Eryk realizou a alteração de um complexo código SQL (de banco de dados) e transformou um processo que rodava em 48 horas e passou a rodar em apenas 7 horas. “A identificação e exclusão de processos desnecessários ao sistema resultaram em ganho de eficiência para a empresa”, contou Amandha Cortes, superintendente da área de pessoas do Itaú, ao jornal Estadão.

As histórias de Iago e Eryk são exceção? São. Mas cada vez menos. Leia mais