Posts

Apesar dos avanços nos estudos do TEA, os adolescentes e jovens adultos com autismo ainda representam uma incógnita para os pesquisadores.

A medicina do futuro já está acontecendo e o sequenciamento completo do genoma é cada vez mais uma realidade nas investigações sobre o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Além de todas as pesquisas e descobertas que já mencionamos por aqui, surge agora um estudo que utiliza essa metodologia para entender como as mudanças físicas e biológicas enfrentadas pelos adolescentes neurotípicos e autistas interferem em seu desenvolvimento.

Kevin Pelphrey é pai de duas adolescentes. Suas expectativas de entendê-las melhor e ser um bom pai o levaram às pesquisas sobre o desenvolvimento do cérebro na adolescência. Diretor do Instituto de Distúrbios do Autismo e do Neurodesenvolvimento na Universidade George Washington, Kevin foi além e está se dedicando a um estudo que estabeleça as relações entre genes, hormônios, cérebro e comportamento, e como essas relações afetam as trajetórias individuais de desenvolvimento, principalmente no período da adolescência e início da vida adulta.

“Este é um momento emocionante para a pesquisa do autismo. No entanto, apesar dos avanços nos últimos anos, um grupo chave de pessoas com autismo continua sendo pouco explorado — adolescentes. Paradoxalmente, este é o grupo que precisa de novas pesquisas de forma mais urgente”, afirma Kevin. “Embora os especialistas tenham se concentrado na infância como principal janela de intervenção, a adolescência representa uma janela secundária. Mas sabemos muito pouco sobre as mudanças na conectividade cerebral, estrutura e função que oferecem suporte ao desenvolvimento social ideal”, completa.

Para mudar esse quadro, Kevin juntou sua equipe da Universidade George Washington e a rede de colaboradores do Autism Centre of Excellence (ACE) em uma iniciativa que pretende encontrar novas maneiras de melhorar a vida dos adolescentes e jovens adultos autistas. Entre 2012 e 2017 eles coletaram informações de 250 meninos e meninas autistas, 175 de seus irmãos típicos e aproximadamente 200 crianças e adolescentes com desenvolvimento típico, todos com idades entre 6 e 17 anos — uma amostra sem precedentes. Os cientistas sequenciaram seus genomas e usaram amostras de sangue para medir a expressão de genes. Com o auxílio de imagens de ressonância magnética e eletroencefalografia, eles documentaram a estrutura, função e conectividade dos sistemas cerebrais chave. Eles também coletaram inúmeros dados clínicos e comportamentais dos participantes. Agora, Kevin e sua equipe seguem em busca de dados longitudinais desses jovens durante a adolescência e a idade adulta.

Além dos dados já colhidos, os pesquisadores querem analisar como os níveis de hormônio nos adolescentes interagem com a função cerebral e a genética para determinar a gravidade dos traços de autismo. Querem entender também a conexão que se estabelece entre as características biológicas e acontecimentos importantes da vida (como emprego, saúde física, felicidade etc). O conhecimento gerado desses estudos poderá abrir caminhos para intervenções personalizadas e, por consequência, mais efetivas para as pessoas autistas — principalmente para os adolescentes e jovens adultos.