Posts

Estudo mostra que vacina tríplice viral não causa autismo

Trabalho científico utilizou base de 650 mil crianças na Dinamarca

A revista científica “Annals of Internal Medicine” teve um estudo publicado dia 4.mar.2019 em que conclui: a vacina contra o sarampo, a caxumba e a rubéola – conhecida como tríplice viral no Brasil; “MMR” em inglês – não causa nem aumenta o risco de autismo, assim como não desencadeia o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) em crianças a ele suscetíveis. A pesquisa tomou como base um total de 657.461 crianças nascidas na Dinamarca entre 1999 e 2010 e, assim como outros estudos anteriores, refutou um mito antigo a respeito de vacinas e autismo.

Mito inglês

Em 1998, o médico inglês Andrew Wakefield publicou, na revista médica “The Lancet”, um estudo com apenas 12 crianças, que vinculava a vacina MMR (tríplice viral) e autismo. Em 2010, o médico perdeu seu registro no Reino Unido e, em 2011, a revista retirou o estudo depois que uma investigação descobriu que Wakefield havia alterado informações sobre as crianças estudadas. Wakefield, que teve de se retratar na mesma revista por erros metodológicos que alguns especialistas definem como “premeditação de sua parte”, mudou-se, então, para os Estados Unidos, onde continuou a exercer a medicina.

Desde essa época, uma alarmante queda nas vacinações, principalmente da tríplice viral, foi disparada pela notícia de que a vacina estaria ligada ao autismo, além de um debate político e entre os profissionais de medicina, além de ter potencializado teorias da conspiração envolvendo a indústria farmacêutica. Na sequência, vários tentaram reproduzir os resultados de Wakefield, no entanto, nenhuma ligação foi encontrada entre vacinas e autismo.

Para a bióloga Graciela Pignatari, “a volta dessas doenças que já estavam erradicadas é uma involução e não podemos deixar isso acontecer numa fase em que temos tanto acesso e evoluímos tanto cientificamente. Definitivamente vacina não causa autismo!”, enfatizou ela.

O estudo

O novo estudo dinamarquês, teve como base um total de 6.517 crianças que foram diagnosticadas com autismo (uma taxa de incidência de 129,7 a cada 100 mil).

No período pesquisado, 6.517 crianças foram diagnosticadas com autismo (uma taxa de incidência de 129,7 a cada 100 mil). Foram estudadas as características das crianças e o tempo decorrido desde a vacinação. O estudo afirma que “a comparação entre crianças vacinadas e não vacinadas produziu uma razão de risco de autismo de 0,93. Nenhum risco aumentado de autismo após a vacinação foi consistentemente observado em subgrupos de crianças definidas de acordo com a história de autismo dos irmãos, fatores de risco do autismo (com base em um escore de risco de doença) e outras vacinações ou durante períodos específicos após a vacinação”.

Sarampo

Em 2016, o Brasil obteve um certificado da ONU pela eliminação do sarampo, em virtude dos números dos anos anteriores. No ano passado, porém, tivemos um grande surto da doença — atingindo 11 Estados e 10.302 pessoas — por conta da baixa cobertura da tríplice viral. Entre as causas, estão os movimento antivacinas (que acreditam na ligação entre vacinas e autismo) e na entrada de venezuelanos sem imunização no Brasil, por conta da crise naquele país. Em outros lugares do mundo, o número de sarampo também cresceram assustadoramente.

Para a médica neuropediatra e geneticista Iara Brandão, a importância da imunização abrange toda a sociedade. “Vacinar é uma atitude individual. Deixar de vacinar é um risco coletivo”, resumiu a médica.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a “relutância ou a recusa em vacinar” como uma das dez principais ameaças à saúde global em 2019. Não há tratamento específico para o sarampo.

O estudo completo pode ser acessado em neste link