Posts

Joshua Beckford está hoje com 15 anos de idade: “Eu quero mudar o mundo!”

Internacionalmente reconhecido, Joshua Beckford, um menino autista de 15 anos, quer ser neurocirurgião (decisão tomada aos 4 anos de idade, segundo ele) e gerar mais acessibilidade para populações carentes. “Eu quero salvar a terra. Quero mudar o mundo e mudar as ideias das pessoas para fazer as coisas certas sobre a Terra”, disse ele sobre o futuro, após receber o prêmio National Diversity Awards, em 2017.

O pequeno nigeriano foi matriculado na Universidade de Oxford aos 6 anos de idade, para cursar filosofia, além de ter sido aceito para integrar um projeto de pesquisa de história, sobre a peste de 1665 (peste bubônica na Inglaterra), numa plataforma online da mesma universidade.

Matriculado aos 6 anos, garoto autista é o aluno mais jovem da Universidade de Oxford: Joshua Beckford — TismooAutismo

Joshua tem autismo leve de alto funcionamento. O pai dele conta que ele tem hipersensibilidade auditiva e é muito ligado a rotinas. “Ele não gosta de barulhos altos, muitas vezes anda na ponta dos pés e sempre come do mesmo prato, usando os mesmos talheres e, para beber, usa sempre o mesmo copo“, narrou o pai, que ainda contou que, aos 2 anos, o filho aprendeu a falar (inglês, sua língua nativa) e aos 3, já era fluente em japonês. Antes disso, aos 10 meses, o pai percebeu que Joshua conseguiu memorizar cada letra do teclado de seu computador após ter dito uma a uma ao garoto. Histórias estas contadadas diversas vezes em todo o mundo, como nesta reportagem da BBC (em iorubá, idioma local da região da Nigéria) ou no site Face2Face Africa.

Ele ainda recebeu um certificado de excelência em Oxford, após obter a maior nota em todos os as disciplinas que cursou na plataforma de educação online para crianças superdotadas.

Joshua já foi convidado para dar diversas palestras. Ele fala sobre a anatomia humana, sobre autismo e, logicamente, sobre sua história, inclusive falou para 3 mil pessoas, em uma conferência TEDx em Viena (Áustria), aos 11 anos, quando estava escrevendo um livro sobre o Egito antigo.

Atualmente ele está levantando fundos para construir uma escola no estado de Kaduna, na Nigéria.

TEDx Vienna

Assista, à seguir, a apresentação de Joshua no TEDx Vienna (na realidade foi uma entrevista) e o poema (de sua autoria) que ele declama ao final, em novembro de 2016.

Autista e escritora falou sobre autismo e também sobre bem-estar animal, temas em que ela é especialista

Na noite desta terça-feira, 17 de julho de 2018, a escritora norte-americana Temple Grandin ministrou uma palestra em São Paulo, num teatro no bairro da Mooca. Com plateia lotada, mais de 400 pessoas assistiram Grandin — que tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) — ministrar uma palestra de quase duas horas falando sobre reflexões a respeito do autismo. Além de escritora, ela é especialista em ciência animal e revolucionou as práticas para o tratamento racional de animais vivos em fazendas e abatedouros.

O evento teve inicio com a exibição da cinebiografia da escritora, o filme “Temple Grandin”, uma produção de 2010 — feita pela HBO somente para TV, estrelado por Claire Danes, dirigido por Mick Jackson e vencedor de um Globo de Ouro entre outros 33 prêmios (o filme pode ser visto no serviço HBO Go ou em blue-ray). Um dos pontos altos do filme é  a exibição da “máquina do abraço”, uma engenhoca que ela criou na juventude para lhe pressionar como se estivesse sendo abraçada e que a acalmava, assim como a algumas outras pessoas com TEA.

Em seguida, após os agradecimentos da presidente da AMA (Associação de Amigos do Autista) de São Paulo, Fátima Souza, a atração principal da noite, Temple Grandin, fez sua palestra com o tema “Reflexões sobre o autismo para pais e cuidadores”. 

Além de falar de sua trajetória de vida, explicou sobre várias estratégias a serem usadas com autistas, como, por exemplo, para crianças que têm hipersensibilidade auditiva, que se “deixe a criança controlar o que faz barulho e a incomoda. Se é o som do aspirador de pó que a agride os ouvidos, se a própria criança puder ligar e desligar o aspirador de pó quando ela quiser, se sentirá segura. E aos poucos vai tolerar aquele barulho”, explicou a escritora.

Perguntas

Ao final do evento, respondeu a perguntas da plateia. 

A Tismoo enviou duas questões, que Temple respondeu prontamente:

Qual sua opinião sobre o aumento dos números do autismo nos EUA?

“Os diagnósticos estão aumentando. Adolescentes que nunca foram diagnosticados, estão sendo agora. Crianças não-verbais, que foram rotuladas com outros transtornos, hoje estão vendo que elas estão no espectro do autismo. Eu trabalhei com várias pessoas com habilidades especiais que certamente estão dentro do espectro.”

O que você acha ser o mais importante para a inclusão de adultos autistas em países como o Brasil, com um grande desafio econômico e educacional?

“Acho que em muitos países que enfrentam esse desafio, as coisas vão melhorar no futuro. Penso que tenham que encontrar uma forma de resolver o problema localmente, ajudando esses adultos a trabalharem no comércio local, em pequenas lojas. Para autistas não-verbais, talvez precise que os avós ou algum vizinho aposentado trabalhe com eles,há vários materiais educativos bons hoje em dia disponíveis para atividades. Pensem no futuro cada vez mais, e em ter soluções locais.”

Aplaudida de pé pelo público, o evento se encerrou com o sorteio de livros de Grandin e com uma sessão de autógrafos e fotografias.

Livros e prêmios

Temple Grandin  é uma das pessoas com TEA mais famosas do planeta atualmente. Em 2010, no mesmo ano do lançamento do seu filme,  ela foi mencionada pela revista Time na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, na categoria “Heróis“. Em 2011, ela foi premiada com a Medalha Dupla Hélice (em inglês: Double Helix Medal), um prêmio concedido desde 2006 pelo laboratório Cold Spring Harbor (CSHL) a pessoas que impactaram positivamente no aprimoramento da saúde humana mediante cuidados e fundos para pesquisa biomédica. Em 2012, Grandin deu uma entrevista exclusiva à publicação brasileira Revista Autismo.

A respeito de autismo, seu primeiro livro foi uma autobiografia, lançada no Brasil em 2009 com o título: “Uma Menina Estranha” (já fora de catálogo), cujo título original é Emergence: Labeled Autistic” — conversando com o renomado neurologista Oliver Sacks, ela pronunciou uma frase que dá bem a medida de como o mundo lhe parece estranho: “A maior parte do tempo eu me sinto como um antropólogo em Marte”, que depois virou título de um dos livros do saudoso neurologista, “Um Antropólogo em Marte“, (An Anthropologist on Mars“). O mesmo Sacks escreveu no verso do livro “Thinking in Pictures”, de Temple Grandin, que seu primeiro livro era “sem precedentes porque não era uma narrativa interna do autismo”

Bem-estar animal

Nos dois dias seguintes, a programação  será de eventos sobre bem-estar animal, com diversas palestras e debates sobre o tema, Kellen Severo, jornalista especializada em economia e agronegócios. Temple Grandin publicou 18 livros, sendo 7 especificamente sobre comportamento e bem-estar animal e 11 sobre autismo. Seus livros Animals in Translation (lançado no Brasil com o título “Na Língua dos Bichos“) e Animals Make Us Human (no Brasil: “O Bem-Estar dos Animais“) estão na lista dos best sellers do New York Times, sendo que este último também consta na lista dos best sellers do Canadá.

Temple Grandin é bacharel em Psicologia pela Franklin Pierce College, mestre em Zootecnia pela Universidade Estadual do Arizona e doutora também em Zootecnia pela Universidade de Illinois. Atualmente, ela ministra cursos sobre comportamento de rebanhos e projetos de instalação na Universidade Estadual do Colorado nos EUA, além de prestar consultoria para a indústria pecuária em manejo, instalações e cuidado de animais.