Estudantes paulistas criam aplicativo para crianças com autismo

O dicionário define empatia como uma “forma de identificação intelectual ou afetiva de um sujeito com uma pessoa, uma ideia ou uma coisa”. Na prática, podemos traduzir de uma forma bem mais simples: empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro. E foi esse sentimento que incentivou quatro adolescentes paulistas a criarem um aplicativo de celular direcionado às crianças autistas.

A ideia de Bárbara Rocha, Giovanna Sales, Karine Santos e Maria Eduarda Cavalcanti surgiu quando participaram do Technovation Challenge, uma competição global de tecnologia exclusiva para estudantes do sexo feminino com até 19 anos de idade. A proposta do desafio é que as jovens participantes criem aplicativos para resolver um problema real da comunidade onde vivem.

Incentivadas pela escola municipal onde estudam, em São Caetano do Sul (SP), Bárbara, Giovanna, Karine e Maria Eduarda criaram então a equipe Innovation Angels e desenvolveram o aplicativo MQMM — Meu Querido Mundo Mágico. De acordo com as estudantes, o objetivo da ferramenta é auxiliar o processo de aprendizagem das crianças com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e conscientizar a população sobre o espectro, afim de combater o preconceito. A criação das meninas foi destaque na competição, disputando a etapa da América Latina e tendo a Microsoft como empresa mentora do projeto.

No aplicativo MQMM a criança escolhe um personagem na tela inicial e em seguida pode optar entre três opções de jogos: Labirinto, no qual se trabalha o senso de direção da criança; Boas Maneiras, para ensinar o que é certo e o que é errado; e Desenho Livre, para desenhar, apagar e trabalhar a coordenação motora. Por enquanto o aplicativo está disponível apenas para Android e pode ser baixado na loja da Google Play.

Comments

comments